4 Problemas comuns de Impressora e como corrigi-los

4 Problemas comuns de Impressora e como corrigi-los

Foi imprimir um documento urgente, deu problema e não sabe como resolver? Calma! Não desanime. Muitos problemas comuns da impressora têm soluções fáceis!

Vale lembrar que cada impressora é diferente desde o modelo até a marca. É importante identificar corretamente que tipo de impressora está sendo usado. Todas as impressoras podem ter os mesmos problemas, mas ter soluções diferentes. Vamos lá?

 

  1. Impressora está imprimindo muito devagar:

Se sua impressora estiver imprimindo muito devagar se atente para alguns detalhes. Dependendo do tipo de equipamento que você possui, a velocidade é alterada pela qualidade do arquivo impresso. Alguns modelos de impressoras são rápidos, mas a qualidade da impressão é baixa ou, outros modelos são lentos, mas com a qualidade alta. Pode ser necessário alterar a qualidade de impressão nas configurações da impressora.

DICA: Se você precisar imprimir documentos do dia a dia, a qualidade de impressão deve ser definida para Rascunho rápido. Vá para Impressão e Propriedades e descubra onde alterar a qualidade do trabalho de impressão. Se você não conseguir encontrar como alterar isso para a sua impressora, você pode pesquisar as instruções no site do fabricante de sua impressora.

 

2. Impressora com atolamento de papel:

Se a sua impressora apresentar um atolamento de papel, você não poderá continuar a imprimir. Um atolamento de papel pode ser causado por diversos fatores, incluindo:

  • Papel carregado incorretamente
  • Os rolos de papel estão danificados
  • Papel carregado que está rasgado ou úmido
  • A bandeja de papel está carregada com mais de um tipo de papel
  • Fusor Danificado

A primeira coisa que você deve fazer é procurar instruções do seu modelo específico de impressora sobre como lidar com um atolamento de papel.

Em alguns casos, você precisará abrir a impressora, retirar o toner e o cilindro, após isso, puxar cuidadosamente o papel. Não puxe com muita força para não danificar a impressora. O atolamento de papel pode ter sido causado apenas por um pedaço de papel que ficou encravado. Se ainda estiver tendo problemas, convém chamar um técnico de impressão para ajudá-lo. Você também pode ligar para nós e iremos ajudá-lo da melhor maneira possível.

 

3. Folhas impressas estão saindo com listradas, manchadas ou desbotadas:

A qualidade da impressão não depende apenas da própria impressora, mas do cartucho de tinta ou toner e da unidade de cilindro (se tiver). O tipo de papel também influencia na qualidade da impressão, portanto, certifique-se que papel não está úmido, ondulado, velho, e se atende às especificações para o produto.

Se o papel não for um problema, a unidade de cilindro pode ser o grande culpado.  Portanto, se suas impressões então saindo claras com pouca nitidez, manchas laterais e aleatórias, o cilindro está com desgaste ou queimado. Nesse caso, é necessário a troca. Se não souber onde encontrar a unidade de cilindro, entre contato em conosco.

 

 4.   Impressão duplicadas (fantasmas nos documentos impressos)

O famoso “efeito fantasma” nas folhas impressas ocorre quando copias de trechos do documento de repetem levemente em toda folha de papel. Essa falha pode estar sendo ocasionada nos componentes da unidade fusor. Neste caso, será preciso efetuar a troca.

 

Não importa o problema com o qual você esteja na impressora, nós da Print Supplies estamos aqui para ajudá-lo, não hesite em entrar em contato conosco.

Conheça nossa loja virtual: https://loja.printsupplies.com.br/ 

3 Dicas para prolongar a vida útil de sua impressora

3 Dicas para prolongar a vida útil de sua impressora

A vida útil de sua impressora dependerá de alguns fatores diferentes, entre eles, modelo e fabricante ou até mesmo o modo de uso. Mas, independente do modelo usado, algumas etapas simples por dia podem ajudá-lo a evitar muitos problemas comuns nas impressoras e garantir que durará o máximo possível. Por isso, nós da Print Supplies separamos algumas dicas para prolongar a vida útil de sua impressora. Confira:

 

  1. Limpe o interior da impressora

Uma das melhores coisas que você pode fazer para ajudar a prolongar a vida útil da impressora é manter seu interior o mais limpo possível. Verifique se há excesso de poeira de papel ou outros resíduos ao abrir a impressora e limpe cuidadosamente os resíduos da impressora. Faça isso ao menos uma vez por mês. Se você usa a impressora com frequência ou está imprimindo com uma demanda maior, verificar duas a três vezes por mês.

  1. Armazene pouco papel

Colocar papel em excesso é um grande risco. Esse hábito pode trazer umidade para o papel, que resulta em atolamento da hora de imprimir. Por isso, lembre de sempre retirar os papeis da bandeja e mantê-los em local arejado para evitar problemas futuros de atolamento.

  1. Feche a bandeja de alimentação manual quando não estiver em uso

Dependendo do modelo da sua impressora, provavelmente possuirá uma bandeja de alimentação manual. É importante lembrar que, quando não estiver usando a bandeja de alimentação, certifique-se de fechá-la. Por ser frágil pode ser facilmente derrubada ou quebrada sem querer por alguém que passe.

 

Fazendo pequenas e simples alterações, você pode aumentar drasticamente a vida útil de sua impressora.

Na Print Supplies você encontra cartuchos de toner, cartuchos de tinta, impressoras e manutenção de impressoras laser. Tudo que você precisa em apenas um só lugar. Entre em contato conosco e solicite seu orçamento!

China vai proibir importação de resíduos sólidos

China vai proibir importação de resíduos sólidos

O governo chinês proibirá a importação e despejo de todos os resíduos sólidos a partir de 1º de janeiro de 2021. O despejo, empilhamento e descarte de todos os resíduos sólidos de fora da China serão proibidos.

O país começou a importar restos como fonte de matéria prima na década de 1980 e é o maior importador mundial, apesar da capacidade restrita de tratamento do lixo. Além disso, algumas empresas passaram a comprar resíduos sólidos ilegalmente com fins lucrativos, o que representa uma ameaça ao meio ambiente e à saúde pública.

Resíduos sólidos verificados na alfândega de Guangzhou

De acordo com a agência de notícias Xinhua, a proibição total é o culminar de políticas introduzidas desde 2017 para eliminar gradualmente a importação de resíduos sólidos. Por exemplo, no final de 2017, a China proibiu a importação de 24 tipos de resíduos sólidos, incluindo papel não classificado, têxteis e escória de vanádio. A escória de vanádio é uma massa fortemente consolidada com inclusões metálicas. Uma parte oxida da escória contém compostos de ferro, silício, manganês, vanádio, cromo, titânio, magnésio, alumínio e cálcio.

Muitas pessoas na indústria global se lembrarão do relatório sobre o derramamento de cartuchos de toner usados ​​em Guiyu, China, em 2000-2004. Imagens da época, divulgadas pela Imaging Spectrum Magazine, mostravam milhões de cartuchos em pilhas sendo separados por homens, mulheres e crianças enquanto as peças eram desmontadas e limpas, prontas para serem reutilizadas.

A editora de consultoria da RT Media, Tricia Judge, viajou para Guiyu em 2004. Judge lembra muito bem as imagens, sons e cheiros que encontrou no problema de resíduos sólidos que viu:

A primeira coisa que notei no caminho para a cidade foram os caminhões e bicicletas carregados com recipientes de água. O rio e seu lençol freático estão tão poluídos que a água dessas fontes não era mais potável. Portanto, a água é transportada de caminhão o dia todo.

A parte mais triste da viagem foram as crianças. Observei enquanto eles e seus animais de estimação, os inocentes, brincavam entre as pilhas de cartuchos queimados e devastados.

O ar estava tão denso com estireno ardente que meus olhos e minha garganta arderam logo depois que cheguei. Uma em cada quatro crianças tinha doenças respiratórias causadas pelos locais de queimaduras onipresentes.

Famílias inteiras se reuniram em torno das pilhas de cartuchos, despindo-os de seus metais. Eles nos expulsaram. Embora devam ter odiado o trabalho, eles precisavam dele. Eles o protegeram.

Oficiais do governo também tentaram nos fazer sair, mas não havia como esconder. Rua após rua, casa após casa, o lixo eletrônico estava se espalhando. As cercas eram feitas de forro de computador de plástico.

Demorei 48 horas para me sentir melhor de novo e por algum tempo não consegui tirar o cheiro das minhas roupas e cabelos.

________________________________________

A agência de notícias estatal afirma que a China começou a importar resíduos sólidos como fonte de matéria-prima na década de 1980 e há anos é o maior importador do mundo, apesar de sua capacidade limitada de processar o descarte de lixo. O país comprou 13,48 milhões de ton de lixo no último ano, ante 22,63 milhões de ton em 2018. Até outubro deste ano, essas importações caíram 42,7% em termos anuais. A partir de 2021, o número deve ser zerado.

No momento, não está claro como essas novas regulamentações impactarão a importação de resíduos sólidos usados ​​como matéria-prima na produção e reaproveitamento de cartuchos de impressora. Algumas empresas disseram à RT Media que não serão afetadas.

Questão

Como este anúncio afetará a remanufatura na China? Isso só fará com que a nova construção fique mais forte? Isso é um argumento contra a globalização e é hora de exigir um mercado secundário regional mais forte? Ou é tarde demais, já que todos esses “navios partiram”?

 

Fontes: Blog del Reciclador / China Hoje

 

Qual o papel da impressão no local de trabalho pós-COVID-19?

Qual o papel da impressão no local de trabalho pós-COVID-19?

COVID-19 deixou muitas empresas paralisadas. A maioria agora se concentra em resistir ou sobreviver à crise para emergir intacta quando tudo voltar ao normal. Algumas das alterações invocadas podem ser permanentes. É provável que muitas empresas continuem a apoiar e encorajar acordos de trabalho flexíveis.

Na verdade, a Global Workplace Analytics (empresa de consultoria baseada em pesquisa dedicada a preparar os empregadores para o futuro do trabalho) estima que 25% dos trabalhadores devem continuar trabalhando em casa. Além dos benefícios óbvios de sustentabilidade para menos usuários, isso deixará alguns escritórios pouco ocupados e pode levar muitas empresas a reduzir o espaço de escritório. Então, qual será o papel das Impressoras e Multifuncionais neste novo mundo, onde o trabalho remoto está acelerando ainda mais a mudança para as tecnologias digitais?

A maneira como as empresas se adaptam a esse novo padrão será crítica em termos de resiliência. A pesquisa de impacto comercial COVID-19 da Quocirca revela que mais de 75% dos executivos da indústria de impressão esperam que a crise cause uma ruptura significativa no mercado. Os volumes de impressão já caíram significativamente devido ao fechamento da maioria dos escritórios, e 70% dos entrevistados da indústria de impressão relataram uma redução significativa nos volumes de impressão entre seus clientes.

Como muitos funcionários remotos não usam ou não têm acesso às impressoras, sua preferência pela colaboração digital provavelmente continuará quando eles retornarem ao escritório. Já que, que cerca de 30% dos funcionários que costumavam imprimir regularmente no ambiente de trabalho, agora trabalham em casa e não têm acesso a uma impressora. Mesmo aqueles que possuem, provavelmente não tem um dispositivo que atenda aos rígidos padrões de segurança que seriam esperados em um ambiente corporativo.

Depois do COVID-19, as empresas precisarão repensar ainda mais como entregam valor aos clientes. A digitalização de processos baseados em papel tende a acelerar ainda mais, abrindo oportunidades contínuas para melhor aproveitar as Impressoras Multifuncionais na captura de documentos.

 

Gostou deste artigo? Fique ligado em nosso blog que sempre estamos postando curiosidades para você. Até a próxima!

 

Fonte: www.industriagraficaonline.com

 

A importância do Impresso

A importância do Impresso

Com a chegada do mundo virtual imprudentemente abandonamos os antigos e seguros impressos, e passamos a registrar e armazenar praticamente tudo em mídias que não vemos, que não podemos pegar nas mãos, que é completamente inseguro e instável: o encantador e glamoroso mundo virtual.

Durante o último encontro de famílias coreanas afastadas há quase setenta anos, as fotografias físicas anteriores  às separações foram as principais protagonistas do evento, provocando grandes emoções; as mesmas emoções com certeza não aconteceriam se fossem elas vistas nas telas frias de um computador ou celular. Isso se elas ainda existissem o que é muito improvável, pois a velocidade das atualizações das versões dos “software” e dos “hardware”, torna arquivos incompatíveis ou definitivamente perdidos em poucos anos, imaginemos em décadas. Universidades americanas estimam que, mais de 30% do conhecimento criado por elas nos últimos quarenta anos, arquivado em múltiplos suportes virtuais, esteja já inacessível ou definitivamente perdido.

 

Evolução mecânica, eletrônica e estética das impressoras.

 

Muitos dos quem lêem esse artigo agora, já lamentaram com a perda de várias imagens de valor emotivo incalculável, simplesmente por elas não terem sido impressas; mas guardados em disquetes ou em outras mídias digitais que já se deterioraram, ou mesmo se intactos, não são mais possíveis acessar, seja pela descontinuidade dos aparelhos leitores ou atualização dos softwares.

Se registrar e arquivar momentos emotivos significativos da vida, confiando totalmente no mundo virtual já é um risco gigante, do lado financeiro não ter os registros físicos (papel) dos seus recursos, impressos com frequência e bem guardados, ultrapassa a linha da imprudência. Se nessa manhã o Governo lançar algum pacote econômico travando todos os depósitos nos bancos, tipo um plano Collor, 99,99% da população não terá um só pedaço de papel para provar junto ao judiciário, eventuais divergências de valores dos seus ativos nos dois distintos momentos. O que a instituição financeira apontar ser o valor verdadeiro, terá que ser aceito pela outra parte bovinamente.

Num mundo cada dia menos ético, esse cenário por si só já é assustador. “Quod non est in actis non est in mundo – O que não está nos autos não está no mundo”, diziam os romanos. Faltou a eles acrescentar: no mundo real, não no virtual.

Enquanto não for possível se embrulhar e carregar no bolso uma sequencia de “bits”, até mesmo que por segurança da sobrevivência, devemos imprimir e deixá-lo bem próximo das nossas mãos, o que nos é relevante.

 

Gostou deste artigo? Fique ligado em nosso blog que sempre estamos postando curiosidades para você. Até a próxima!